• Sábado, 16 de Maio de 2020

“Quem manda sou eu”. Bolsonaro trata o Brasil como se fosse quintal da casa dele

Teich, mesmo apagado, pode ter sido vítima do autoritarismo

Até quando o Brasil vai assistir de braços cruzados o “quem  manda sou eu” do presidente Bolsonaro que, a essa altura, demonstra o que não se imaginava em tal dimensão: inclinação autoritária e ditatorial?

Teich, de fato, não mostrou a que veio. Contudo, segundo noticiou ‘O Estadão’, o agora ex-ministro da Saúde, “pressionado a ampliar a prescrição de Cloroquina, avisou, na quinta-feira (14), que seria preciso aguardar a conclusão de estudos científicos”.

Não adiantou – escreveu o jornal paulista – acrescentando que no mesmo dia Bolsonaro dissera que faria a mudança no protocolo. “Quem manda sou eu” – teria dito a auxiliares. E aí veio a demissão.

Se a classe política, as instituições em geral e o Judiciário e estiverem vendo que a cosia toda está saindo do controle, o risco institucional pode deixar de ser apenas um risco.